quarta-feira, 3 de setembro de 2014

13. Runaway.

 Senti minhas pernas vacilarem, meu quarto começou a rodar e eu estava com dificuldade para respirar. Era isso mesmo? Eu estava sendo mais uma vez presa? Pela morte do Matt?
- Onde ela esta? – ouvi a voz grossa do detetive perguntar, soltei um suspiro que saiu mais como um engasgo, ele não poderia me prender, não por uma coisa que eu não cometi, olhei para os lados e avistei a janela aberta. Era isso. Eu deveria fazer isso, não poderia ser presa por algo que eu não cometi. Ouvi os passos subindo as escadas, passei a mão pelo rosto e percebi que estava suando frio. Me arrastei pelo quarto em direção a janela, eu teria que pular, a janela não era tão alta, mas seria um belo tombo. Respirei fundo e prendi a respiração. Senti minhas costas bater contra grama, meu peito pegava fogo e notei que estava com um pequeno corte no cotovelo. Levantei-me um pouco tonta e antes mesmo de perceber já corria em direção a casa de Demi. Botei a mão no bolso do shorts e percebi que tinha deixado o celular em cima da cama, respirei fundo e olhei para cima, nenhum luz estava acesa, assim como a casa parecia silenciosa, segui silenciosamente até a porta dos fundos e girei a maçaneta, estava aberta. Fiquei até tonta de felicidade, abri a porta bem devagar e notei que a casa estava escura, fechei a porta do mesmo jeito que abri e segui pela cozinha, passando pela sala e avistando as escadas. A casa de Demi não havia mudado muito, eu conhecia aquela casa muito bem, subi as escadas vagarosamente e vi que a segunda porta a esquerda estava entre aberta, se Demi tivesse mudado de quarto, eu com certeza estaria fudida. Respirei fundo mais uma vez e entrei no quarto. Não havia ninguém, mas sabia que aquele quarto era de Demi. Primeiramente pelo o cheiro, depois pela as coisas que enfeitavam o quarto, fotos dela com Rose, Matt e outras garotas, vários pôsteres da Kelly Clarkson, etc. Fui até a janela e pude ver duas viaturas da policia paradas em frente de casa.
- (SeuNome)? – por um segundo pensei que fosse a policia, que eles haviam me encontrado e me levariam, porém assim que virei não pude deixar de suspirar aliviada assim que vi Demi.
- Demi! – disse indo até ela e abraçando-a.
- O que aconteceu? – ela perguntou assim que separei o abraço e fechei a porta, passando a chave.
- A policia – disse, não queria mentir para Demi, ela arregalou os olhos.
- O que?!
- Eles vieram me prender – disse e apontei para janela, Demi olhou e seguiu até lá, depois de alguns minutos virou-se para mim.
- Prender você? Por quê?
- Parece que tem um novo detetive no caso da morte do Matt – disse aflita andando de um lado para outro – Ele veio me prender... Eu não quero...
- Calma – ela disse indo até mim e segurando meus braços – Explica direito, já não foi provado que você não é culpada?
- Foi, quer dizer, não – disse sentando-me em sua cama – Eles me liberaram porque não tinham provas, Henry disse que a pulseira poderia ser de qualquer uma...
- E a pulseira é sua, (SeuNome)? – Demi perguntou sentando ao meu lado.
- Não sei, eu tinha uma pulseira daquela, lembra? Você quem me deu e eu tinha perdido no dia do enterro do papai e de Tom – disse e enterrei meu rosto em minhas mãos. – Eles iriam me prender...
- Escuta, (SeuNome) me escuta – Demi disse balançando meu ombro, suspirei e a olhei, Demi mordeu o lábio e levantou-se, indo em direção a cômoda ao lado da janela, pegando algo. – Toma.
- O que... – comecei e a vi virar-se, entregando-me uma chave – A chave do seu...
- Carro, isso – ela disse assentindo, Demi deu alguns passos até mim e ajoelhou-se a minha frente, para poder olhar em meus olhos – Ele esta na garagem, você fica lá, com certeza eles irão vim até aqui, afinal somos vizinhas, os deixo revistarem a casa e quando eles forem embora, vou até o carro e veremos o que fazer.
- Você faria isso por mim? – perguntei encarando-a, Demi mordeu o lábio e deu um sorriso tímido.
- Claro que faria – ela disse – É o mínimo que eu posso fazer.
- Você sabe que não precisa se envolver com isso – disse colocando uma mecha do seu cabelo para trás.
- Não irei cometer esse erro novamente, estou com você – ela disse e mesmo que a policial estivesse vindo em direção a sua casa, peguei em seu pescoço, selando nossos lábios.
- Vai (SeuNome) – Demi sussurrou assim que separamos o beijo, sorri e levantei-me.
- Obrigada – disse encarando-a, Demi deu de ombros, respirei fundo e abri a porta.
***

 Haviam passado alguns minutos que eu estava no carro de Demi. O policial Adams tinha me liberando por falta de provas, afinal como o próprio Henry disse qualquer um pode ter essa pulseira. E porque ele estava atrás de mim e porque tinham colocado outro detetive no caso? Eles não tinham nenhuma prova contra mim, a não ser que eles tivessem. Mas que prova seria essa? Tinha a pulseira, mas ela tinha sumido e... Era isso! Alguém tinha pegado a pulseira para me denunciar, mas quem seria essa pessoa? Era alguém que estava na festa e...
- (SeuNome)! – ouvi e vi que Demi batia no vidro, apresei em baixar o vidro rapidamente.
- Eles já foram? – perguntei.
- Acho que sim, mesmo assim melhor você ficar esperta – Demi disse e deu a volta no carro, entrando no banco carona.
- Você viu o Nick? – perguntei encarando o volante.
- Ele estava acompanhando o detetive, parecia aflito – ela disse – Ele estava preocupado, você devia ter falado com ele.
- Não pude, Demi – disse finalmente encarando-a – Já ia descendo quando aquele detetive chegou, consegui ouvi-lo e entrei em pânico, não poderia ser presa por algo que eu não cometi.
- O que você vai fazer? – ela perguntou, respirei fundo e voltei a encarar o volante.
- Sinceramente? Eu não sei – disse suspirando – Não posso voltar para casa...
- Você pode ficar na minha – Demi disse e eu a encarei.
- Não posso fazer isso, você já mentiu para policia, não vou metê-la mais nisso – disse e a senti pegar em meu rosto, aquele toque macio, quente, me permiti fechar os olhos.
- Vou procurar um lugar – disse ainda com os olhos fechados – Mas quero que você faça uma coisa para mim.
- O que? – Demi perguntou rapidamente, abri os olhos e a encarei.
- Prometa que sempre acreditará em mim, sempre – disse e a vi ficar confusa – Qualquer pessoa pode me acusar, menos você, não conseguiria viver com isso, mais uma vez.
- Não preciso prometer – ela disse sorrindo – Eu acredito em você.
- Mesmo assim prometa – disse firme, Demi assentiu e selou nossos lábios. Enquanto nossas línguas formavam uma perfeita sincronia, pensei em quanto queria Demi por perto, em quanto eu... Eu a amava.
- Eu prometo – ela sussurrou ainda com nossas testas coladas.

***
- Você tem certeza que quer ficar aqui? – Demi perguntou.
- Tenho sim – disse e logo vi Lauren voltar com duas xícaras na mão.
- É chocolate quente – Lauren respondeu sentando-se na poltrona a minha frente, sorri e bebi um gole. Estávamos na casa de Lauren, liguei para ela no caminho e disse que quando chegasse contaria tudo, e foi assim que fiz. Ela ouviu cuidadosamente e no final disse que eu poderia ficar na sua casa.
- Então você mora com sua tia? – Demi perguntou. Ela era a única que não tinha concordado com a ideia, mesmo que não tenha falado, porém conhecia Demi muito bem para saber que ela não tinha gostado nada.
- Sim, mas ela passa o dia todo no seu ateliê – Lauren respondeu dando um gole em seu chocolate quente – Ela só vem à noite, então você pode andar pela casa de dia, até a noite quando ela chega.
- E onde (SeuNome) irá dormir? – Demi perguntou, Lauren lançou-me uma rápida olhada e voltou a encarar Demi.
- No meu quarto – ela respondeu obvia, olhei para Demi e a vi arquear as sobrancelhas. – Fica tranquila Demi, eu sei que vocês duas estão juntas.
- O que?! – Demi perguntou quase gritando, arregalei os olhos assim como Demi.
- Você sabe? – perguntei e vi Lauren assentir.
- Eu vi vocês duas se beijando na festa – Lauren respondeu sorrindo, olhei para Demi que parecia envergonhada. – Enfim, você ficara no meu quarto, minha tia não costuma andar lá.
- Isso é ótimo – disse forçando um sorriso. – E será só por alguns dias.
- O que você esta pensando em fazer? – Demi perguntou.
- Provar que eu não matei o Matt – disse e a vi semi cerrar os olhos – Não se preocupem, eu cuidarei disso sozinha.

***
 Estava deitada em um colchão ao lado da cama de Lauren. Não conseguia pregar os olhos, minha cabeça estava a um milhão. O fato da policia esta atrás de mim, eu sendo uma fugitiva, colocando pessoas que eu gostava nisso, não conseguia ficar quieta deitada no colchão.
- Não consegue dormir? – ouvi a voz de Lauren falar baixinho.
- Não – respondi depois de alguns minutos. – Desculpe por ter acordado você.
- Não acordou, já estava acordada – ela disse. – Você quer conversar?
- Agora não é uma boa hora para conversar – respondi encarando teto.
- Certo então – Lauren respondeu e ficamos em silencio.
- Alguém esta armando para cima de mim – disse.
- E quem seria essa pessoa? – Lauren perguntou depois de alguns minutos depois.
- Eu não sei – disse – Quer dizer, acho que sei sim.
- E quem seria?
- T.P.H – respondi. Lauren era a primeira pessoa para quem eu contava isso, nem Nick, nem Demi. – No dia do assassinato do Matt, recebi uma mensagem e no dia seguinte recebi um bilhete.
- Dessa tal T.P.H? – Lauren perguntou.
- Sim.
- E você já tem uma ideia de quem seja? – ela perguntou, mordi o lábio, contava ou não contava? Já estava aqui mesmo, não iria esconder nada.
- Acho que seja o Tim – falei e fiquei alguns minutos em silencio – Tem tudo haver, quer dizer, T de Tim e P de Parker, mas e o H?
- Certo, mas o assassinato do Matt foi antes do Tim chegar aqui – Lauren disse.
- Exatamente e ainda tem a mensagem... – disse pensativa.
- Que mensagem?
- A que eu recebi do tal T.P.H, segundo a mensagem, ele era um Harris – disse. – E o Tim não é um Harris, certo?
- Pelo o que eu sei não – Lauren respondeu – Mas quem sabe ele pode ser algum primo distante ou sei lá.
- Pensei nessa possibilidade, mas porque um primo perdido iria querer me ferrar? E meu pai é filho único, e a família da minha mãe me odeia.
- Mas isso não muda o fato de que pode ser alguém da sua família. – Lauren falou e eu gelei. Apenas um nome veio em minha mente. E esse nome me ferrou uma vez e estava fazendo isso novamente. 

"Próximo capitulo será revelador... Qualquer coisa venham na ask, até mais" 

5 comentários:

  1. Oi leitora nova aqui, e OMG so uma palavra define esse imagine "perfeito", nao e como os outros que e a mesma chatice de sempre, o seu tem bastante misterio e romance. Ansiosa pra descobrir quem e T.P.H, beijinhos :)

    ResponderExcluir
  2. To quebrando minha cabeça pra descobrir quem é T.P.M!Perfeito seu imagine foge do convencional não e como a maioria e por isso é tão bom!Parabens!Esperando ansiosa pelo próximo capítulo!

    ResponderExcluir
  3. Ja sei quem é o T.P.H

    ResponderExcluir
  4. Sempre fico animada quando tem um cap.Seu imagine é diferenciado de todos.Simplesmente amo,é perfeito.OMG quem será esse T.P.H? Muito ansiosa por outro cap,poste logo please....

    ResponderExcluir
  5. O.M.G.!!!! Vc se superou gata esse cap ta divino,perfeito,simplesmente P-E-R-F-E-I-T-O.
    To louca pra descobri quem e o T.P.H.
    Pfv continua logo.

    ResponderExcluir